quarta-feira, 23 de novembro de 2011

"fazer cobrança"

a chave que dispensava as fichas
(começava a mágica!)
"_Vê lá o marcador pra mim."
óculos amarelados
letra cuidadosa
(aquele charme de antigamente)
confere com calma
no ritmo da pescaria
o pano verde,
a bola branca,
tirar o nível,
testar caçapas,
mas ela tinha que quicar
"_Não.
Não joga ela direto!
Joga pra bater aqui..."
E Pisca-pisca era quase sempre seguido de algum
"_Pisca-pisca é o teu cu!"
e aquelas risadas boas de bar

Passar a mão num pano de mesa bem esticadinho
imitando aquele gosto que só ele tinha nisto
é coisa que me aperta o coração
de saudades de meu vô.

6 comentários:

Tiago eugenio disse...

Muito boa cara!

Raquel disse...

Muito bom!

Jeff disse...

nice

Renata de Aragão Lopes disse...

Saudades também imensas
da minha avó...

Um beijo,
Doce de Lira

Adriane B. disse...

venho sempre buscar esse poema. mais um que eu venho sempre buscar.

Anderson Petroni disse...

Poxa Adriane, muitíssimo obrigado pelos comentários. Fico muito feliz de saber que vc sempre volta. Sinta-se em casa.