quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Cúmulo

Pegar a flor do cacto
sem medo
como se pega um beijo
(per)correr a extensão de um perigo
e guardar
como se guarda um cantinho especial da sala
numa caixinha imaginária

2 comentários:

Tiago disse...

OOOORRAAA ... poeta então essa eu não esperava

Net Esportes disse...

mto bom ... todo o blog mto bm